Dizem que só se aprende a ser um bom filho quando você se torna pai, e só se aprende a ser um bom pai quando você se torna avô. Como eu ainda não sou pai não posso afirmar, mas creio que seja verdade. Eu tenho vontade sim de ser pai, deve ser um momento magnífico ver meu filho ou filha nascendo, ver aquela coisinha pequenininha vindo conhecer o mundo, ver aquele pequeno ser tão frágil que aparentemente a única coisa que sabe fazer é chorar. Deve ser um sentimento indescritível, pegar em meus braços um ser vivo que é sangue do meu sangue e carne da minha carne, algo que somente o nosso Pai Eterno entende completamente, pois Ele é o Criador de todo ser vivo.

Eu já tive muitos desentendimentos com o meu pai, já briguei, gritei, fui irresponsável e muitas vezes não respeitei sua autoridade sobre minha vida. Por outro lado, meu pai também cometeu falhas com sua família, mas hoje eu sendo um pouco mais maduro entendo que ser pai não deve ser fácil: muitas responsabilidades, muitos desafios, o crescimento de seus filhos dependem de seu cuidado, você tem o dever de suprir suas necessidades com alimentação, moradia e uma boa educação etc. Hoje eu sei que meu pai sempre quis o melhor para mim e agradeço a Deus por isso.

Lembro-me de uma vez em que depois da aula da faculdade e fui dormir na casa de meu irmão. Eu nunca tinha ido dormir lá, e esqueci-me de avisar aos meus pais. Quando passou do horário de eu chegar em casa eles ficaram preocupados, me ligaram mas eu estava sem bateria no celular. Ligaram para alguns amigos, mas eles não sabiam onde eu estava. Então bateu o desespero e ligaram para a polícia, para os hospitais da região, para a faculdade e nada de me acharem. Passaram a noite fazendo ligações, e quando amanheceu o dia meu pai foi até a casa de meu irmão para pedir ajuda para ele me procurar, e lá estava eu. Um segundo depois caiu a ficha que eu não tinha avisado meus pais onde eu estava e eles passaram a noite toda me procurando. Quando meu pai me viu acho que sentiu uma mistura de raiva e alegria: raiva porque poderíamos ter evitado tudo aquilo se eu simplesmente tivesse avisado onde eu iria dormir; e alegria porque sabia que seu filho estava vivo.

Meu pai é um exemplo de homem e pai para mim, um homem que sempre batalhou para dar o melhor para sua família, nunca deixou faltar nada em casa, criou seus dois filhos para serem homens de verdade, nos proporcionou vários momentos de lazer e alegria. Meu pai não é perfeito, assim como eu sendo filho também não sou, mas vejo através da vida de meu pai um mandamento de Deus sendo cumprido: “multiplicai-vos” Gênesis 1:28.

Seria clichê dizer que meu pai é meu herói? Sim, seria clichê, e na verdade ele é muito mais que um super-herói, pois mesmo sem ter nenhum poder sobrenatural ele protege sua família e nos ensina a ficarmos longe dos caminhos do mal. Ele é o homem que mais admiro nesse mundo, muito mais que um herói, ele é meu pai.

Toda honra e louvor ao Senhor!

Abraços, Rafael Paiva

Categorias: Reflexões

Comente pelo Facebook »