A história do povo de Israel é muito interessante. Foi um povo escolhido e separado por Deus. Enquanto escravos nas terras do Egito, Deus levantou Moisés para libertá-los de tal escravidão. Os tempos foram passando, mas a história não foi esquecida: era relembrada pela tradição das festas e pela transmissão oral.

Em Levítico 23 lemos a descrição de uma série de festas da tradição do povo. Inclusive a festa da Páscoa já era comemorada antes de Jesus Cristo. Nessa festa eles sacrificavam e comiam carneiros. Também comiam ervas amargas e pães sem fermento para relembrar como foi sofrida a libertação do povo da escravidão.

Assim  para nós também é necessário lembrarmos de onde viemos. Muitas vezes nos esquecemos disso, afinal, nossa caminhada de fé anda tão bem que nem sequer lembramos da mudança que tivemos. Acabamos caindo no erro de confiar nas nossas próprias forças, sem lembrar que é Deus quem opera em nós tanto o querer como o realizar (Fp 2:13). Sem Ele, nada podemos plenamente.

Fomos libertos das terras do pecado, não por Moisés, mas por Jesus Cristo. E essa libertação nos traz a paz. Somente por graça e misericórdia de Deus que desfrutamos da vida que hoje temos e relembrar isso é de suma importância.

Não precisamos sacrificar animais , comer ervas amargas ou pães sem fermento para isso, mesmo que nosso passado tenha sido amargo e sem crescimento. Podemos recorrer às nossas memórias ou ainda conversar com pessoas que nos conheciam. Por que fazer isso? Para não nos encantarmos com a mesma terra, ou com outras terras do Egito de hoje em dia.

Quando realmente fazemos isso, nos lembramos de todo o sofrimento passado, a mudança de vida, o abandono dos velhos hábitos, a liberdade que Cristo nos deu, a paz que veio sobre nossos corações e a alegria da salvação, é como se “caísse a ficha” novamente. É como se comêssemos ervas amargas para relembrar dos tempos difíceis.

O mundo oferece prazeres, diversões, alegrias MOMENTÂNEAS. Quem sabe a terra que quer te atrair é a da mentira. Quem sabe adulterar um pouquinho “não vai fazer mal pra ninguém”. Talvez ninguém sinta falta daqueles cinquenta reais. Deus nos libertou do pecado e o que fazemos com tal liberdade? Viajamos para “outras terras”? Não precisamos fazer isso. Assim como Deus prometeu ao povo de Israel uma terra onde eles habitariam, terra que “emana leite e mel”, para nós ele promete a terra da vida eterna.

Não deixe-se encantar pelas terras do agora pois elas passa. A palavra de Deus que tem a promessa da terra da vida eterna não passará: irá se cumprir. Lembre-se de não esquecer de tudo o que Cristo operou na sua vida, creia na promessa da vida eterna ao lado de Deus e use sua liberdade do pecado para testemunhar do agir dEle em sua vida.

Maitê Beatriz Brueckheimer @memaite

Categorias: Reflexões

Comente pelo Facebook »