Estou terminando a faculdade. Cursando o 7º Semestre de Jornalismo e, daqui a seis meses, serei um jornalista. Mas até lá tenho uma caminhada longa e sofrida, como já foi até aqui. Eu nunca fui de estudar e nunca gostei de estudar. Acho necessário, mas não gosto, e isso contribui para a minha ‘grande vontade’ de ir para a aula.

Ultimamente ela vem me tirando mais tempo do que eu costumo dar para os estudos. Comecei a fazer um tal de PEC (Projeto Experimental em Comunicação) que trocou o meu tempo livre por dor de cabeça, e infelizmente tive q deixar de fazer algumas tarefas no quesito “Servir na Igreja”.

É tenso! Passei a dar mais importância para o estudo do que para o ministério no qual estou inserido, e isso me lembrou de um antigo post sobre Prioridades (clique aqui e veja). Pensei: “O que é mais importante: igreja ou faculdade? O que é mais necessário? Quais são os prós e os contras?”.

Analisei e não deixei o servir de lado, mas dei uma amenizada nos trabalhos que eu realizava dentro da igreja para poder terminar aquilo que a faculdade me exigia. Ficou a seguinte pergunta no ar: Até que ponto a faculdade pode me afastar do servir?

A faculdade nos tira muito tempo. Costumo dizer que “A faculdade é um mal necessário: arranca-nos tempo por um tempo, para nos dar mais tempo a longo prazo”, ou seja, ela nos capacita para que façamos de forma mais eficiente, melhor e em menos tempo aquilo que fomos designados para fazer! E tudo isso exige um tempo de sacrifício.

Para entender melhor o sacrifício que é, façamos uma conta básica: o tempo médio de uma faculdade é de quatro anos, com cerca de 4h de aula de segunda a sexta-feira. Coloque junto ai, o que geralmente acontece, que o aluno trabalhe cerca de 8h durante o dia e no final de semana (no caso do cristão), ajude no ministério infantil (sábados a tarde) e toque na banda da igreja (sábados a noite e domingos de manhã). Quando que o indivíduo vai ter tempo de estudar? Ou melhor, será que ele está mesmo 100% se dispondo para servir? Não está fazendo por obrigação?

Quando vi que a faculdade começou a exigir mais de mim, tive que abdicar de alguns trabalhos dentro da igreja. Vi que algumas coisas eu estava fazendo por obrigação, não mais por amor a causa. Não tinha mais vontade de servir, mas simplesmente estava lá por causa da pressão social das pessoas a minha volta. E percebo agora que Deus não procura servos por obrigação, mas sim por opção!

Explicando melhor, Deus não quer que você faça um trabalho na igreja se você não está com vontade de fazer aquilo. Ele não quer coisas de mal agrado. Ele conhece os sentimentos do teu coração. Portanto, sirva com amor, sirva por amor. “Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente. Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria.” 2 Coríntios 9:6-7

Já o servir, lembrando nosso querido amigo Guigo, exige o sofrimento. Sem sofrimento não é servir! Servir sem sofrimento é aproveitamento! Como obra divina, devemos priorizá-lo, correto? Afinal, o próprio Cristo nos incentivou a servir e ser servos, se não seremos os últimos: “Assentando-se, Jesus chamou os Doze e disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, será o último, e servo de todos“. Marcos 9:35

Isso nos deixa em questão a faculdade. É mesmo necessária? É egoísmo fazer uma faculdade para que, no futuro, você seja um profissional mais capacitado e posso receber um salário um pouco melhor? Ter uma vida melhor? A minha resposta é não!

Penso que assim estou me “capacitando para o servir”. Fazendo um ensino superior, principalmente na área que eu gosto é ganhar dinheiro sem precisar trabalhar para o resto da vida, o que consequentemente me gera prazer no trabalho. O servir acaba sendo beneficiado nisso porque me abre caminhos dentro daquilo que eu sinto prazer em fazer, e ainda faço dentro da igreja.

Eu, que daqui a seis meses me formo em Jornalismo, que é uma profissão prioritariamente pensante, percebi que me tornei uma pessoa mais crítica quanto àquilo que eu recebo da sociedade e demais meios ‘gospels’. Passei a selecionar o que é joio e o que é trigo, e isso me capacitou dentro do servir.

Esse semestre finalmente está terminando. Só falta o tão temido TCC semestre que vêm. Provavelmente essa história de Faculdade e Servir vai se repetir e espero que até lá eu esteja mais tranquilo. Para aqueles que estão na mesma situação, sei o que vocês estão passando!

Meu recado final: Procuremos um meio de conciliar a faculdade e o servir, tentando não sair dos trabalhos da igreja e nem deixar de continuar os estudos por medo de “não trabalhar para o Reino”. Achem o meio termo!

Fiquem na Paz!

Categorias: Reflexões, Testemunhos

Comente pelo Facebook »