Oi! Provavelmente você nunca leu um texto meu. Eu sou a Maitê, muito prazer! Digamos que eu sou uma editora convidada aqui pro MassaCrente e, sim, sou a única mulher aqui (abraços pro público feminino do blog, haha). Hoje estou “estreiando” um texto meu aqui e espero que eu e você possamos dialogar super bem a respeito de vários assuntos que irão surgir! “Let’s start it”!

A “Nova Era” diz que cada homem tem sua própria verdade, não há bem nem mal e o próprio homem é um deus que está acima de tudo isso. Então estaríamos vivendo em uma sociedade antropocêntrica governada pelo umbigo humano. Em que era nós estamos vivendo?

Em tal corrente idealista, é utilizado, dentre outros, um símbolo: uma cruz de cabeça para baixo com os braços partidos e caídos, também chamada de “pé-de-galinha”, que simboliza a “verdadeira” paz sem Cristo e a derrota do Cristianismo. Em que era estamos vivendo? O egoísmo é algo muito comum atualmente. Cada um só pensa em si, nos seus interesses, naquilo que lhe será útil e os relacionamentos são baseados nas trocas de favores.  Pois bem, acabo de lhes apresentar o utilitarismo. Em que era nós estamos vivendo?

Em Romanos 12:2 lemos: “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”. Seja qual for a era em que vivemos, devemos viver a era que Deus deseja. Ao ser interrogado pelos fariseus acerca de qual seria o maior mandamento, Jesus respondeu: “Ame ao Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento. Este é o maior mandamento.” (Mt 22:36-37).

A cruz de cabeça para baixo utilizada pela “Nova Era” deve ser reinterpretada: devemos ter um relacionamento primeiramente vertical diretamente com Deus, amando-o de todo o coração, alma e entendimento, assim como Cristo nos exorta através de sua Palavra. Seguindo o capítulo 22 de Mateus, no versículo 39, lemos sobre o segundo maior mandamento “Ame o seu próximo como a si mesmo ”. Partindo do princípio relacionamental que temos com Deus de maneira vertical, também devemos manter um relacionamento de amor de maneira horizontal: com nosso próximo, amando-o como a nós mesmos.

Deste modo, resgatando os principios de Deus, a representação da cruz da Nova Era e seu significado deve ser descartada, pois sob uma ótica mais cristológica e buscando a vontade de Deus, obtemos o ideal de “era” que devemos viver: a era de amar como Cristo amou.

Note que qualquer semelhança dos princípios atuais com os da “Nova Era” podem não ser mera coincidência. A pergunta que ecoa dentro de nós deve ser “em que era estou vivendo?” Você está vivendo na era em que as circunstâncias o levaram a matar Cristo dentro de você? Está vivendo na era onde suas amizades duram somente até o tempo em que lhes são úteis? Ou, ainda, está vivendo no “umbigocentrismo”?

Volte-se para Cristo: não como um fariseu que o interroga para testá-lo, mas sim como alguém que procura viver a era da vontade de Deus, afim “de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.

Maitê Beatriz Brueckheimer @memaite

 

Categorias: Reflexões

Comente pelo Facebook »