Em latim, ego significa eu, enquanto que o sufixo –ismo geralmente indica uma ideologia, como em aristotelismo e marxismo, ou uma doutrina religiosa, como em cristianismo e islamismo. Assim sendo, egoísmo significa a ideologia do eu, ou até a religião do eu. Enquanto ideologia, ambos os pontos de partida e de chegada são eu; todos os meios servem para eu chegar a eu e concluir queeu é a resposta que eu procurava. Já como religião, Eu é o deus adorado e cuja vontade é feita pelo eu que o cultua e serve. O pensador, chamamo-lo de egoísta, pois observa tudo da perspectiva do eu. E o religioso, de ególatra, pois eu é a divindade que adora. O universo de tais indivíduos fatalmente é egocêntrico, isso quer dizer que, nele, corpos menores, como planetas, são atraídos pela força do eu, e ao seu redor orbitam e a partir dele têm seus lugares celestiais definidos. O egoísmo, apesar de mui abrangente e com diversas definições e implicações, sabe conjugar verbos somente em uma pessoa: eu quero, eu preciso, eu gosto, ad nauseam; no egoísmo, nem nós nem eles cabem, só eu.

Descobri que para ter Cristo, preciso abandonar tal filosofia e apostatar de tal fé. Segundo Jesus, não posso mais pensar como egoístas pensam nem adorar como ególatras adoram. Li que devo abandonar esses pensamentos e apostatar dessa fé – dói! A primeira lição que aprendi com Jesus foi que existem mais pessoas para conjugação e outros pronomes possessivos. Jesus ensinou que o Pai é nosso, e não meu, disse assim: Pai nosso que estás no céu…venha a nós o vosso Reino e seja feita a vossa vontade…o pão nosso de cada dia nos dai hoje, e perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos nossos devedores…não nos deixei cair em tentação, mas livra-nos do mal. Depois de Cristo, não posso ma…oops, não podemos mais começar todas as frases com ego.

Depois de descobrir o Evangelho, tentei conversar com outros ainda seguidores de filosofias e religiões adeptas do egoísmo, mas eles não entendem o que digo…parece que não conseguem enxergar outros pronomes! Mas entendo, pois, como eles, também espremi até a última gota das doutrinas e reflexões egoístas buscando a verdade dentro do eu, até o dia que encontrei, ao invés de verdade, mentiras envolvendo o ego.

Ah, eu, esse pensadorzinho falso! Eu, esse deusinho enganoso! Quando cheguei ao âmago do egoísmo, lá onde o eu habita, descobri que eu mentia. Que eu era mais que um pronome, mas um ser de vontade insaciável e de pensamento raso. O grande eu mentia para mim! Aliás, descobri que eu era a razão de meus problemas! Que eu roubava! Que eu me escondia da verdade! Que eu era mau! Porém mais importante, ficou claro que eu, aquela entidade falsa, me enganava! Eu roubava todo meu dinheiro, tempo e saúde e as gastava com coisas fúteis que me prejudicavam! Eu me enganava porque eu queria toda gloria e honra! Eu queria ser Senhor! Mas depois de conhecer Cristo, descobri que eu deveria morrer e ceder o trono a Ele, o único que pode propriamente dizer EU SOU. Enquanto que os antigos pensadores e religiosos egoístas sempre me disseram que eu era o deus verdadeiro, Jesus Cristo mandou crucificá-lo, tomar a cruz onde eu estava pregado e segui-lO!

Guilherme Adriano

Curtiu o texto? Então não esqueça de clicar no botãozinho “curtir” abaixo 🙂

Categorias: Reflexões

Comente pelo Facebook »