Todos nesse mundo buscam felicidade. Eu também busco a minha, e creio que não há nada de errado com isso. Mas, e o que é a felicidade? Para uns a felicidade pode estar num relacionamento, em encontrar a pessoa perfeita; para outros pode ser uma conta gorda no banco e uma vida material e financeira estável; ou para outros a felicidade pode ser apenas ter a dignidade de poder dar o pão de cada dia para sua família. Enfim…neste sentido, em minha opinião a felicidade é algo muito relativo, ou seja, depende muito da cada pessoa. Somos mais de 7 bilhões de habitantes no planeta, cada uma com suas necessidades e anseios da alma. O que é bastante notável é que o mundo não tem referência quando se trata de felicidade, e por isso tenta impor um padrão a ser seguido que na realidade só gera mais sofrimento. O padrão oferecido pelo mundo é que para você ser feliz você precisa ter dinheiro, ser bem sucedido na carreira, nos relacionamentos e tudo mais, e então assim você será feliz, quando você tiver tudo o que deseja. É uma espécie de “ditadura da felicidade”.

 Você pode estar pensando: Ei! Mas espere um pouco…Esse texto não era pra ser sobre sofrimento? Calma, calma que eu já vou chegar lá. 😀

Muitas vezes chegamos a Deus com esse padrão de felicidade do mundo. Há muitas igrejas que se dizem evangélicas que se aproveitam disso, oferendo um deus do tipo “gênio da lâmpada” que irá atender nossos pedidos e resolver nossos problemas como num passe de mágica. Isso é um grande engano. Não há nada de errado em falar sobre as bênçãos de Deus. Eu creio em todas as promessas da Bíblia, ou seja, que Deus abençoa, liberta, cura, salva e tudo mais. O que não podemos esquecer é que o sofrimento faz parte do processo. É um erro tratar o sofrimento como um problema, e não como um agir de Deus.

Lembro-me quando contei a um amigo que eu havia me convertido. Ele ficou bem feliz e me fez uma advertência: não pense que seus problemas irão se acabar, eles podem até vir a piorar, mas a maneira como você vai encará-los será bem diferente. Guardo essas palavras até hoje e sei bem o que elas significam. Passei por muitas coisas ruins (e muitas coisas boas também) durante a minha caminhada com Cristo. Tenho que confessar que no início eu tinha aquela mentalidade de que se eu estava fazendo a minha parte, agora era só esperar Deus me recompensar. Mas muita coisa não saiu nem um pouco do jeito que eu esperava. Aí surgem as perguntas: por que há tanto sofrimento? E agora que me aproximei de Deus, por que as coisas que eu lia na Bíblia sobre descanso, alívio, paz e tudo mais não estavam se cumprindo na minha vida? Hoje em dia eu olho para trás e agradeço pelas lutas e dificuldades, porque pude experimentar Deus me carregando. Com o tempo, à medida que fui aprofundando meu relacionamento com Cristo – e fé tem muito mais a ver com relacionamento do que com mera confiança –, comecei a entender que o sofrimento faz parte do processo natural da cura da minha alma. Se foi fácil?! Não! É claro que não! Nunca foi, é ou será fácil pra ninguém. Cheguei ao ponto de pedir que Deus me levasse para a glória com Ele.  Muitas vezes chorei, pensei em desistir e não entendia porque Deus parecia estar tão distante, porque Ele não me ouvia, porque mesmo eu sendo fiel Ele permitia que eu passasse por tanta aflição e sofrimento.

Atualmente, depois de eu mesmo ter passado por estas experiências, o meu entendimento é mais claro sobre esse assunto. Às vezes eu fico pensando e me dá a impressão de que no meio cristão é proibido sofrer, é proibido chorar, que não podemos reclamar com Deus e que devemos sempre parecer felizes. Mas não é assim que as coisas funcionam. A Bíblia está repleta de exemplos de homens e mulheres, verdadeiros ícones da fé, que passaram por grandes dificuldades e até momentos de depressão. Um bom exemplo são os Salmos, a maioria deles escritos pelo rei Davi, chamado na Bíblia de “um homem segundo o coração de Deus”. Vemos, por exemplo, salmos de júbilo e exaltação (Salmo 19), outros pedindo juízo (Salmos 79), outros de quebrantamento (Salmos 38) e outros até perguntando onde está Deus (Salmos 13).

Há muitos livros que falam sobre o problema do sofrimento e da dor, que podem até nos ajudar a entender, mas nunca terão uma explicação pra tudo. Algumas vezes o sofrimento pode ser consequência de um pecado, outras vezes parece estar tudo certo e não entendemos algumas dores que passamos.

A respeito do sofrimento eu digo o seguinte: não tente ser um super-herói da fé, pois você vai falhar miseravelmente. Se estiver passando por lutas e provações, converse com Deus, questione, procure bons amigos e pessoas mais experientes na fé, despeje sua indignação, fale tudo o que está sentindo. Enfim…abra seu coração mesmo que você já saiba das respostas e conselhos que te serão dados. Confesso que no início eu tinha dificuldade em me abrir e conversar com alguém sobre meus problemas, pois eu já sabia tudo o que iriam me dizer. Mas, supreendentemente, depois de abrir meu coração, eu sentia um grande alívio. Mesmo tendo provado da bondade de Deus, ainda hoje passo por alguns momentos de preocupação, angustia, tristeza etc. Isso é perfeitamente normal, pois sou ser humano, tenho sentimentos e Deus sabe disso. A diferença agora é que eu sei e tenho a plena convicção e certeza de que vale a pena permanecer firme, pois Deus é fiel, e tudo aquilo que a Bíblia fala sobre o amor dEle é verdade.

Um abraço a todos e fiquem na Paz.

Eduardo / @edukokinho

Categorias: Reflexões, Testemunhos

Comente pelo Facebook »